A graduanda do Curso de Fisioterapia é atleta de paranatação do Grêmio Náutico União.

A estudante do Curso de Fisioterapia Stefanie Malinski representará a UFCSPA nas Paralimpíadas Universitárias 2021, que ocorrerá entre os dias 16 e 19 de setembro, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, em São Paulo. Essa é a primeira vez que Stefanie representará a UFCSPA desde que começou a nadar, em março de 2019.

Stefanie revela estar muito feliz por representar a universidade na competição. “Estou um pouco ansiosa, será a primeira vez que competirei sozinha, também serei a única a representar a minha equipe. As Paralimpíadas Universitárias são um evento único. Não temos provas classificatórias e competirei direto nas finais. É uma grande responsabilidade, mas estou treinando muito e me dedicando ao máximo para obter ótimos resultados," declara.

O próximo desafio e principal competição da atleta é o Circuito Regional Loterias Caixa, que acontecerá no dia 2 de outubro em Porto Alegre. Stefanie já participou e conquistou medalhas em competições na capital gaúcha e nas cidades de Caxias do Sul e Canoas, ambas no Rio Grande do Sul. Também já competiu em Fortaleza, no Ceará, onde foi recordista no revezamento 4x50m livre feminino, no Meeting Cearense. Na cidade de Blumenau, em Santa Catarina, ela foi paratleta destaque dos Jogos Paradesportivos. No início de 2020 a estudante participou do primeiro Regional, o Circuito Brasil Loterias Caixa - Fase Regional Rio/Sul e ganhou medalha de bronze nos 400m livre. 

Este é o último ano de Stefanie no Curso de Fisioterapia e ela conta que a escolha pela carreira de fisioterapeuta não teve relação com a sua atuação como atleta, já que iniciou o curso muito antes de nadar. "Mas hoje tem tudo a ver", comemora. Na Fisioterapia, ela deseja trabalhar com esporte, de preferência com paradesporto. Na paranatação, ela almeja melhorar seu desempenho a cada dia. “Acho que hoje meu principal desejo é competir e medalhar no Brasileiro para concorrer a Bolsa Atleta e continuar treinando. O objetivo final pode ser Paris 2024 ou Los Angeles 2028 na paranatação e na Fisioterapia, mas tem muita coisa para acontecer antes,” explica Stefanie.

Entre as dificuldades encontradas no paratletismo, a estudante vê a falta de incentivo, investimento, reconhecimento e a desinformação como algumas das principais. Mas ela faz questão de reconhecer as melhorias já ocorridas, pois quando se tornou uma pessoa com deficiência nem sabia da possibilidade de ser uma atleta. Para ela, o investimento no paradesporto é uma das maneiras de mudar essa realidade de desafios e desconhecimento. "Ações desde a iniciação até o alto rendimento, com divulgação e incentivo para as pessoas com deficiência praticarem esportes", acrescenta. Outro desafio para os atletas foi a pandemia da Covid-19, pois os atletas ficaram muito tempo sem treinar e precisaram se adaptar às novas formas de realizar os treinamentos.

O último ano de graduação também tem sido desafiador para acadêmica, pois ela precisa conciliar estágios obrigatórios e optativos com os treinamentos. “Não é fácil, mas é possível e muito recompensador finalizar a semana com tudo cumprido. E agora mais ainda, já que vou competir novamente. Essa é a primeira competição depois da pausa devido a pandemia e vou representar a UFCSPA. Estou muito feliz,” finaliza.

Stefanie Malinski está no último ano do Curso de Fisioterapia